domingo, 28 de agosto de 2011

Cada passo é um começo

Tudo na vida é um começo. Desde quando nascemos até quando envelhecemos. É como um joguinho de video-game (puta que pariu, tô nerd) , cada passo é o começo de uma nova fase. Completamos a fase, ganhamos os pontos, adquirimos um brinde e começamos uma outra fase, mais difícil. 

Se apareceu "GAME OVER" em seu jogo, é porque está na hora de mudar o jeito de jogar e, quem sabe, até esteja na hora de você procurar um jogo a qual se identifique mais. Nada de espatifar o DVD com as mãos, apenas guarde-o em sua caixinha e pegue o que está ao lado.

Pode ser que demore para você zerar um game, pode acontecer de o temido "GAME OVER" aparecer para você várias vezes, mas não desista, sempre comece outro jogo. Agora a parte boa, se você zerar um jogo? Muito bom, parabéns. Será recompensado por isso, ganhará diversos prêmios, mas não pode parar por aí. Sempre temos de correr atrás de outro desafio.

Ao correr atrás de outro desafio, o que estaremos fazendo? Começando outro ciclo. E assim vai a nossa vida também. Começamos no pré, concluímos essa etapa e começamos o ensino fundamental. Depois do fundamental, vem o médio, depois faculdade, emprego, pós graduação, família, carros, contas a pagar, etc. Cada passo que damos é um começo, ninguém está ganhando ou perdendo.

O fim está muito longe, temos muita coisa para começar ainda. Para concluir, queria citar Engenheiros: 

"Nem tão longe que eu não possa ver
 Nem tão perto que eu possa tocar
Nem tão longe que eu não possa crer que um dia chego lá
Nem tão perto que eu possa acreditar que o dia já chegou"



segunda-feira, 22 de agosto de 2011

É uma longa estrada

Nossa vida pode sim ser comparada com uma estrada, pois às vezes seguimos em linha reta, às vezes pegamos uma contramão, fazemos atalhos, entramos em saídas certas e erradas e também, na maioria das vezes, corremos demais.

Infelizmente, não depende da gente o fato da estrada ser longa ou curta. Pois acidentes acontecem e a viagem pode ser interrompida na metade, mas, se a gente der sorte, seguiremos nesta estrada por muito tempo, dando uma derrapada aqui, outra acolá, mas não despencando  no barranco, somente dando uma paradinha no acostamento.

Mas é claro, uma viagem longa é chata de se fazer sozinho. Então, sempre é bom termos uma companhia, mesmo que por um determinado momento, nem que seja só para ir até a cidade mais próxima. O importante é nunca ficar sozinho, valorizar todos ao nosso redor. Nunca deixe que seu pai seja "apenas o cara do outro lado do sofá".

Sempre é bom estarmos de olho nas placas. Não parar na hora certa e não respeitar o limite de velocidade pode abreviar a viagem. Mas existem placas que são armadilhas, que te levarão para um caminho não muito legal, mas sempre conseguimos voltar à estrada principal.

Se pegou a saída errada, pegue o próximo retorno e fique atento da próxima vez. Você demorará para concluir a viagem, mas a concluirá com louvor.

Não importa se estamos na estrada principal ou em um atalho levando para uma estrada errada. O importante é estar seguindo viagem, um dia a gente chega ao destino





terça-feira, 16 de agosto de 2011

A medida de um homem

Quando se fala sobre o que um homem precisa, sempre vem aqueles chavões: carreira, dinheiro, diploma, mulheres, carros, sexo, drogas e rock´n´roll. Mas não concordo com isso, nem sempre o homem precisa só de coisas boas, até porque nada são flores no mundo.

Para ser  um homem completo, acho que todos nós precisamos algum dia ter alguma frustração, ouvir nãos, perder alguém ou até sair de uma batalha sem o ouro e sem o cromo. Não é praga, não. Você vai entender o que quero dizer.

Muitas pessoas buscam esconder os erros, não admitem que estão frustradas com algo ou então falam não sentir falta de alguém que se foi. Eu acho uma tolice esconder isso, pois tudo o que somos hoje é a soma de nossos acertos e erros.

É o famoso caso da criança que sempre mexe no fogão de casa, o dia que a coitada queima a mão, nunca mais mexe no fogão. Viu, é um bom exemplo de aprendizando com os erros.

Então, ao invés de sermos infelizes por nada e ficarmos nos lamentando e escondendo nossa dor, o melhor a se fazer é sentar, pensar nos erros e refletir sobre o que aprendeu com essa experiência, para que no futuro possamos pensar melhor nossas atitudes e sermos pessoas muito melhores.

Sei que é um exemplo idiota, mas dane-se: somos iguais aqueles bonequinhos de RPG, após uma batalha, mesmo se perdemos, adquirimos experiência. A experiência vai somando, mesmo perdendo na maioria, e um dia nos tornamos invencíveis. Tá, na vida real não somos invencíveis, mas evoluímos bastante de level mesmo em batalhas perdidas.
Por exemplo, eu aprendi que não se pode encostar em uma tomada quando se está molhado (tinha nove anos) e agora fico esperto quanto a isso. Agora, imagine se eu pegasse trauma de chegar perto de tomada....Vish!