sábado, 13 de novembro de 2010

Falsidade, fofocas e outras conversas...

Quem frequenta alguma roda de amigos sabe que a galera adora uma fofoca, não é mesmo? É até engraçado, se chegar um camarada e dizer que está afim de conversar sobre a economia da Rússia, a galera vai ridicularizá-lo dizendo que a economia da Rússia não tem nada de importante. Mas se o mesmo camarada sugere falar mal de alguém ou caçar defeitos em outras pessoas, todos se interessam e nosso amigo se torna o rei da rodinha (sem malícias!)! Por que esse interesse tão grande no ser humano em falar dos defeitos dos outros?

Para tentar explicar isso, irei voltar ao ano de 2003 quando eu (Pedro, prazer!) possuía 12 anos (agora tenho 19, queee velho!). A adolescência começa nesta tenra idade (aos doze) e todos sabemos que adolescente é capaz de fazer quase tudo para ser aceito. O curioso é que, por mais que os adolescentes possuam todos os defeitos do mundo, eles adoram expor os defeitos dos colegas da turma, fazendo, muitas vezes, com que os outros colegas tenham uma certa discriminação pelo pobre coitado. Essa discriminação leva o pobre coitado a ser o rejeitado, o excluído do grupo e na adolescência ser excluído é a pior violência que se pode sofrer. Então, por questão de sobrevivência, um adolescente normal começa a procurar defeitos em algum colega e espalha para a galera, para que a galera pegue no pé do colega defeituoso e o adolescente passe desapercebido, sem ninguém notar algum defeito nele, pois se notarem ele corre o risco de ser o novo rejeitado da turma . Não quero defender essa prática, mas posso dizer que os adolescentes não fazem isso na maldade, mas sim pelo desejo de ser aceito. Assumo também que neste período de adolescência eu tanto pratiquei isso quanto também sofri com isso, pois fui um adolescente normal que procurava um grupo para me encaixar. É até engraçado pensar nisso porque dá aquela sensação de culpa, pelos colegas que você entregou os defeitos, e também de raiva contra aqueles que fizeram isso com você. Mas o barato da vida é esse, as pessoas vão crescendo e amadurecendo. Com o passar dos anos, os jovenzinhos vão aprendendo a conviver com os defeitos de outras pessoas e começam, aos poucos, a viver com as diferenças. Quantas vezes nos pegamos dizendo: "Fulano pode ser intrometido e todo desajeitado mas tem um coração muito bom". Se você já se pegou falando isso é porque aprendeu , de certa forma, a conviver com os defeitos de alguém. Com este passar dos anos, às vezes até acontece de você se tornar amigo daquele rapaz que implicava com você na 7ª série, olha que bacana, sinal que estamos crescendo!

Bom, a NATUREZA do homem diz que quanto mais tempo de vida, mais madura a pessoa fica. Isso é uma regra, né? Mas você sabe, toda regra tem uma exceção! Onde eu quero chegar com isso? Simples, existem pessoas que não amadurecem, ou seja, parecem viver na adolescência para sempre. Eu acho, particularmente, vergonhoso ver pessoas com mais de 20 anos nas costas que se juntam em grupos com o objetivo de fofocar , botar defeitos nos outros e fazer intrigas. A parte da fofoca nem chega a ser tão grave devido a vontade do ser humano em sair contando para todo mundo sobre algo que viu (Exemplo: Aquele seu amigo santinho saiu com você, bebeu todas e saiu dando vexame na rua. É obvio que você vai sair espalhando isso para todo mundo,  inevitável né?). Preocupante mesmo é o fato de botar defeitos e fazer intrigas. Como eu disse, o objetivo de botar defeitos em alguém é aquele mesmo da época da adolescência, esconder os próprios defeitos. Pode reparar, quem critica muito os outros tem muitos defeitos que acabam nem sendo notados. (Exemplo: Um obeso ao ver um rapaz malhando logo exalta: "Bah, que viado! Só faz isso para aparecer, metidão". Não tenho nada contra obesos, vai te catar se pensou isso!) Logo, eu penso que quem fica caçando defeitos nas outras pessoas , além de querer esconder os seus  , não passa de um adolescente com idade avançada (Não adianta me ameaçar de morte, não citei nomes!). Já o fato de fazer intriga chega a ser mais grave pois não se compara nem com a adolescência, mas sim com a infância. Vou montar uma situação hipotética para ver se consigo explicar meu ponto de vista. Por exemplo, Lucas e Leandro possuem sete anos e são melhores amigos. Passado um tempo, muda-se para o bairro um garoto chamado Eduardo, que acaba se tornando amigo de Lucas. Sabendo da amizade de Lucas e Leandro, Eduardo  fica com  um certo ciúme e sempre arruma motivos para tentar afastar os dois garotos, para que Lucas seja somente seu amigo. Ao perceber que Lucas e Leandro estão brigados, Eduardo se aproveita para influenciar Lucas a parar de falar com Leandro e ainda inventa que Leandro disse besteiras a respeito de Lucas. Entenderam? As pessoas que fazem intrigas são pessoas invejosas que não aceitam que outro alguém seja  próximo de um indivíduo que elas gostam. Como elas não sabem conquistar a amizade de alguém através de formas legais, partem para o jogo sujo, fazem intrigas e no fim as pessoas ainda agradecem a elas por terem "aberto seus olhos" e ainda as colocam como "heroínas"! São pessoas assim que costumam liderar panelinhas destinadas a falar mal dos outros. Se você participa de alguma panelinha assim preste atenção em seu líder e em suas atitudes. Será que ele é tão bom assim para ser o líder de uma turma? Cabe a você decidir, meu (minha) chapa!

2 comentários:

  1. Panelinhas, pra que? se quando todos são unidos é bem melhor..

    Muito boom pedro! mesmo!

    ResponderExcluir
  2. Pedro, simplesmente sensacional esse texto. Meus parabéns, muito bom mesmo :D

    ResponderExcluir