sábado, 11 de dezembro de 2010

A Dish Served Cold

Sempre quando alguém nos faz mal, de imediato ficamos perplexos. Ficamos sem reação, parece que todo o corpo trava. Ao cairmos na realidade, vem à tona o sentimento de raiva e parece que queremos fazer com a pessoa o dobro do que ela fez conosco, é o sentimento de vingança.

A vingança, a princípio, parece ser algo muito bom, pois a pessoa devolve tudo o que sofreu. Só que uma pessoa com raiva acaba dando um soco de olhos fechados. Vou tentar me explicar melhor com uma situação hipotética dita por meu pai :  Um rapaz chegou em casa raivoso, pois fora ridicularizado por algozes na escola. Revoltado, gritava que queria vingar-se a qualquer custo. Seu pai, vendo aquela situação, trouxe ao filho uma camiseta branca e um saco de carvões.

O pai pendurou a camiseta branca em um varal e disse para o filho imaginar que aquela camiseta fosse o seu algoz. Depois, o pai disse para o filho imaginar que os carvões eram as coisas que ele desejava fazer contra o algoz. Então, disse para o filho arremessar contra a camiseta , que seria o algoz,  quantos carvões desejasse. O rapaz começou a jogar os carvões descontroladamente. Passado um tempo, já não restava um único carvão no saco.

O pai do rapaz apareceu e disse: "Então, meu filho, você fez mal a seu algoz?". O rapaz mostrou a camiseta toda suja e rasgada e acenou positivamente com a cabeça. O pai, então, conduziu o filho até um espelho e disse: "Agora olhe para você mesmo". O rapaz olhou-se no espelho e se viu todo sujo, sua camiseta estava em pior estado do que a que ele arremessara os carvões. Conclusão, a vingança fez mal tanto ao "algoz" quanto ao próprio vingador.

A raiva é o que leva a vingança e isso não é bom, pois pessoas que agem com raiva não pensam nas consequências de seus atos. Depois da vingança sempre vem o arrependimento, só que a pedra já foi atirada e não tem como fazê-la voltar à sua mão. E essa pedra atirada, na maioria das vezes, faz mais mal para o atirador do que para quem a recebeu de fato. Um exemplo disso foi um caso nos EUA de seis garotas que espancaram uma outra por acharem que ela as difamava na internet. As agressoras acabaram todas presas e irão permanecer na cadeia por muitos anos, tudo isso por uma vingança besta. A pedra atirada prejudicou mais a quem?

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

É Natal, é natal, hipocrisia geraaal.

Olá senhores leitores do meu blog, hoje estou atendendo ao pedido de meu amigo Caio. Ele me pediu para escrever um texto sobre o Natal, então vamos lá.

Sei que vão chover canivetes para cima de mim, mas o Natal é o feriado mais capitalista e hipócrita que existe. Em dezembro, as pessoas só se preocupam em comprar presentes para a família inteira. Os comerciantes, espertos, abrem suas portas até domingo à noite para lucrar, o que é o mais certo pois vivemos na América, a terra da oferta e da demanda. As pessoas devem achar que comprando um super presente para a sogra vai fazer a velha as odiar menos. Ledo engano, cara!

Quanto à hipocrisia, bem, vou explicar agora. Em toda família existe aqueles dois elementos que se odeiam. Sempre que tem festa de aniversário na família e um dos elementos comparece, o outro dá uma uma desculpa para não aparecer, ficando nessa marmelada o ano inteiro, deixando os familiares à volta desconfortáveis com a situação. Porém, no dia do Natal , como mágica os dois estão lá se abraçando, desejando felicidades um ao outro, trocando presentes e mais todo o tipo de bajulação que se pode imaginar. Afinal, é o espírito de Natal. Passando o dia do Natal, os dois infelizes voltam a se odiar e ficam naquela velha criancisse até o próximo Natal. O espírito de harmonia dura apenas o dia do Natal ? Não vou nem comentar aqueles discursos de que a época do Natal é uma época de paz. Espera um pouco, então quer dizer que o resto do ano que se dane? Paz só no Natal e depois vamos nos matar igual animais? A hipocrisia também vale para aquelas pessoas que são ruins o ano inteiro, sacaneam os outros, falam que trabalhar é mais importante que a família e , na época de Natal , vão lá e querem pagar de bonzinhos,  fazendo doações e falando que a família é a coisa mais importante. Pelo amor de Deus, né? 

Uma coisa é certa, ninguém sabe o verdadeiro significado do Natal. Antes que me perguntem, também não sei qual é. Só sei o significado atual dele que é comprar presentes, enfeitar a casa, desejar paz a todas as pessoas e depois desfazer tudo, só refazendo no próximo Natal. Bom, feliz Natal então!

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Medo...

Postando só para não perder o costume mesmo, não tenho estado muito bem ultimamente. Hoje, como o título sugere, vou tentar falar sobre o medo.

Na nossa vida, sempre encontramos pessoas que dizem não ter medo de nada. Eu acho isso uma arrogância, pois o medo é algo natural do ser humano. Só nunca teve medo na vida quem nunca se arriscou mesmo. Isso me lembra a primeira vez que saí guiando um carro sozinho,  minhas pernas tremiam, senti muito medo mesmo, mas soube lidar com ele. Isso também vale para a primeira vez que peguei ônibus sozinho, quando tive de enfrentar alguém mais forte que eu no ginásio e por aí vai. O fato é que o medo é como se fosse uma pequena chama, se nós não o controlamos de imediato, ele vai se alastrando e destruindo várias coisas em nossa volta até nos dominar por completo. Se vivermos dominados pelo medo, não conseguimos realizar quase nenhuma tarefa e viveremos a vida inteira trancados em casa. O medo não pode se tornar algo principal em nossa vida. Acho que nem tenho tanta moral assim para falar sobre controlar o medo, pois ainda tenho medo de muitas coisas. Mesmo assim estou aprendendo, afinal de contas, a vida é uma escola.

O medo é um sentimento como outro qualquer, nós não sentimos vergonha por amar alguém então não devemos ter vergonha de sentir medo. Sabendo lidar com o medo, todos nós conseguimos realizar diversos desafios, mesmo que não conseguimos vencer. Como dizia o sábio senhor Myagi ( Karate Kid) : " É certo perder para o inimigo, mas é errado perder para o medo". Se a gente enfrentar algo e perder, e daí? Desde que perca como um vencedor, não há problema.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Egoísmo...

Tô meio sem ânimo hoje, mas vou postar para não perder o costume. Hoje vou tentar tratar sobre o egoísmo. As pessoas sempre vêem o egoísmo como uma coisa errada, como um defeito em uma pessoa. Para mim, o egoísmo não é tão ruim assim, ele faz da gente até melhor em algumas situações.

Todas as pessoas do mundo são um pouco egoístas, isso é fato! Sempre o ser humano procura colocar seus interesses acima de tudo e tá pouco se lixando com o outro. Um exemplo bom é o ambiente de trabalho, quem já trabalhou uma vez na vida sabe disso. Em um ambiente de trabalho as pessoas só tem um objetivo: se dar bem e conseguir a tão sonhada promoção. Para alcançar esse sonho, as pessoas são capazes de puxar o tapete dos colegas sem dó, nem que para isso façam o coitado ser demitido. É chato falar isso, mas aqui o que vale é a lei da selva. Se você for bonzinho e ajudar todo mundo sempre, as pessoas irão se aproveitar de você ao máximo e quando não der mais para te usar, sairão de sua vida. Raramente retribuirão o que você fez, pois somente o que elas querem importa, você que se dane! Às vezes acontece até o inesperado, depois de tudo o que você faz por alguém, essa pessoa acaba te odiando sem mais nem menos.

Por isso é bom termos olhos somente para nós na maioria das vezes. Neste mundo de cão, se a gente não gostar de nós mesmos ou proteger nossos interesses, quem fará isso por nós? Claro que uma ajuda ao próximo às vezes não faz mal a ninguém, mas desde que não seja exagerado. Afinal, de que adianta eu te ajudar se quando eu precisar você não vai estar lá ? De que adianta eu te emprestar meu livro se você vai rasgá-lo? De que adianta eu ser seu amigo se quando eu viro as costas você me apunhala? Por isso que eu prefiro ser um pouco egoísta, acabei percebendo que não adianta a gente se colocar no lugar das pessoas porque elas nunca se colocam no da gente. Por isso, se aquele seu amigo irresponsável pedir coisas emprestadas, dê uma desculpa esfarrapada e não empreste. Melhor ele ficar triste do que você sem suas coisas. Dane-se ele!

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Desistir pode ser errado?

Sempre que pensamos em desistir de algo ouvimos frases chavões como: "Desistir é para fracos". A sociedade trata a desistência como algo sempre negativo, parece que se a pessoa desistir de algo ela está cometendo o pior dos pecados. Mas será que desistir é sempre errado?

Uma coisa é certa, a desistência sempre traz arrependimento. Todos nos arrependemos de algo que desistimos, sempre vem à tona aquele sentimento de que tudo podia ser diferente. Mas , em determinadas situações, a desistência é uma decisão muito sábia. Vou me usar como exemplo. Sou estudante de direito, só que vi que o curso não era o que eu esperava , não estou gostando do curso e não me sobressaio nas matérias. Se estou nessa situação onde tudo está caminhando para trás, para que insistir? Insistir em algo que não irá te dar futuro é como um barco tentando navegar em terra seca. Em situações assim é melhor desistir e procurar algo que te dê o retorno esperado, aí sim seu barco navegará em um grande oceano.

A desistência também cai bem em relacionamentos tanto amorosos, quanto de amizade. Todos nós já tivemos o azar de ter um mau amigo que , por mais que você seja legal com ele, só te ferra e te deixa na mão. Então, de novo a perguntinha, para que insistir nessa amizade? Para que tentar ser amigo de alguém que só vai te trazer dor? Quanto a relacionamentos amorosos, bem, leiam meu primeiro post e vão saber o que eu acho! (risos)

Para finalizar, acho que devemos parar de torturar as pessoas que querem desistir de algo sendo que, durante nossa vida, desistimos de muita coisa. Como dizia o Kevin Arnold (série Anos Incríveis), quando somos crianças somos um pouco de cada coisa e conforme vamos crescendo, parece que vamos desistindo dessas coisas uma a uma. E os motivos variam: preguiça, medo, não conseguir se sobressair, etc. Acho feio taxar de fraco alguém que viu que está em um caminho ruim e quer sair dele. A vida é feita de acertos e erros e garanto, se eu não tivesse desistido de algumas coisas, talvez não estaria aqui escrevendo hoje. Parece trágico, mas é algo a se pensar!

sábado, 13 de novembro de 2010

Falsidade, fofocas e outras conversas...

Quem frequenta alguma roda de amigos sabe que a galera adora uma fofoca, não é mesmo? É até engraçado, se chegar um camarada e dizer que está afim de conversar sobre a economia da Rússia, a galera vai ridicularizá-lo dizendo que a economia da Rússia não tem nada de importante. Mas se o mesmo camarada sugere falar mal de alguém ou caçar defeitos em outras pessoas, todos se interessam e nosso amigo se torna o rei da rodinha (sem malícias!)! Por que esse interesse tão grande no ser humano em falar dos defeitos dos outros?

Para tentar explicar isso, irei voltar ao ano de 2003 quando eu (Pedro, prazer!) possuía 12 anos (agora tenho 19, queee velho!). A adolescência começa nesta tenra idade (aos doze) e todos sabemos que adolescente é capaz de fazer quase tudo para ser aceito. O curioso é que, por mais que os adolescentes possuam todos os defeitos do mundo, eles adoram expor os defeitos dos colegas da turma, fazendo, muitas vezes, com que os outros colegas tenham uma certa discriminação pelo pobre coitado. Essa discriminação leva o pobre coitado a ser o rejeitado, o excluído do grupo e na adolescência ser excluído é a pior violência que se pode sofrer. Então, por questão de sobrevivência, um adolescente normal começa a procurar defeitos em algum colega e espalha para a galera, para que a galera pegue no pé do colega defeituoso e o adolescente passe desapercebido, sem ninguém notar algum defeito nele, pois se notarem ele corre o risco de ser o novo rejeitado da turma . Não quero defender essa prática, mas posso dizer que os adolescentes não fazem isso na maldade, mas sim pelo desejo de ser aceito. Assumo também que neste período de adolescência eu tanto pratiquei isso quanto também sofri com isso, pois fui um adolescente normal que procurava um grupo para me encaixar. É até engraçado pensar nisso porque dá aquela sensação de culpa, pelos colegas que você entregou os defeitos, e também de raiva contra aqueles que fizeram isso com você. Mas o barato da vida é esse, as pessoas vão crescendo e amadurecendo. Com o passar dos anos, os jovenzinhos vão aprendendo a conviver com os defeitos de outras pessoas e começam, aos poucos, a viver com as diferenças. Quantas vezes nos pegamos dizendo: "Fulano pode ser intrometido e todo desajeitado mas tem um coração muito bom". Se você já se pegou falando isso é porque aprendeu , de certa forma, a conviver com os defeitos de alguém. Com este passar dos anos, às vezes até acontece de você se tornar amigo daquele rapaz que implicava com você na 7ª série, olha que bacana, sinal que estamos crescendo!

Bom, a NATUREZA do homem diz que quanto mais tempo de vida, mais madura a pessoa fica. Isso é uma regra, né? Mas você sabe, toda regra tem uma exceção! Onde eu quero chegar com isso? Simples, existem pessoas que não amadurecem, ou seja, parecem viver na adolescência para sempre. Eu acho, particularmente, vergonhoso ver pessoas com mais de 20 anos nas costas que se juntam em grupos com o objetivo de fofocar , botar defeitos nos outros e fazer intrigas. A parte da fofoca nem chega a ser tão grave devido a vontade do ser humano em sair contando para todo mundo sobre algo que viu (Exemplo: Aquele seu amigo santinho saiu com você, bebeu todas e saiu dando vexame na rua. É obvio que você vai sair espalhando isso para todo mundo,  inevitável né?). Preocupante mesmo é o fato de botar defeitos e fazer intrigas. Como eu disse, o objetivo de botar defeitos em alguém é aquele mesmo da época da adolescência, esconder os próprios defeitos. Pode reparar, quem critica muito os outros tem muitos defeitos que acabam nem sendo notados. (Exemplo: Um obeso ao ver um rapaz malhando logo exalta: "Bah, que viado! Só faz isso para aparecer, metidão". Não tenho nada contra obesos, vai te catar se pensou isso!) Logo, eu penso que quem fica caçando defeitos nas outras pessoas , além de querer esconder os seus  , não passa de um adolescente com idade avançada (Não adianta me ameaçar de morte, não citei nomes!). Já o fato de fazer intriga chega a ser mais grave pois não se compara nem com a adolescência, mas sim com a infância. Vou montar uma situação hipotética para ver se consigo explicar meu ponto de vista. Por exemplo, Lucas e Leandro possuem sete anos e são melhores amigos. Passado um tempo, muda-se para o bairro um garoto chamado Eduardo, que acaba se tornando amigo de Lucas. Sabendo da amizade de Lucas e Leandro, Eduardo  fica com  um certo ciúme e sempre arruma motivos para tentar afastar os dois garotos, para que Lucas seja somente seu amigo. Ao perceber que Lucas e Leandro estão brigados, Eduardo se aproveita para influenciar Lucas a parar de falar com Leandro e ainda inventa que Leandro disse besteiras a respeito de Lucas. Entenderam? As pessoas que fazem intrigas são pessoas invejosas que não aceitam que outro alguém seja  próximo de um indivíduo que elas gostam. Como elas não sabem conquistar a amizade de alguém através de formas legais, partem para o jogo sujo, fazem intrigas e no fim as pessoas ainda agradecem a elas por terem "aberto seus olhos" e ainda as colocam como "heroínas"! São pessoas assim que costumam liderar panelinhas destinadas a falar mal dos outros. Se você participa de alguma panelinha assim preste atenção em seu líder e em suas atitudes. Será que ele é tão bom assim para ser o líder de uma turma? Cabe a você decidir, meu (minha) chapa!

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Amar é...

Na minha opinião, o ato de apaixonar-se é uma droga. Podem me cruxificar, mas é o que cheguei à conclusão.

Para que serve o amor? O amor parece que só estraga o ser humano, ele nos deixa orgulhoso, nos deixa arrependido. Muitas vezes, corta nosso peito como uma faca, deixando uma marca para sempre. Quando apaixonados, deixamos de viver a vida do nosso jeito para tentar encaixar um outro alguém, que muitas vezes não está nem aí e nos usa como um tapete.

Quem de vocês já não foi para um lugar que odiava só por um motivo, a garota dos seus sonhos? Parecia que tudo estava perfeito quando ela estava por perto, você podia estar no inferno, mas a tendo ao lado, a paisagem medonha desaparecia. Você, gentil, sempre a ouvia, oferecia seu ombro amigo e , muitas vezes, servia até de burro de carga quando ela ia às compras ou algo do gênero. Quantas vezes você já desmarcou aquela cervejinha com os amigos para estar com ela, nem que fosse para ficar parado , na chuva, ouvindo o jeito fútil dela de falar da vida alheia? Quando você acorda pela manhã e pensa que vai vê-la, até o fato de acordar cedo deixa de ser um problema.  A gente fica tão idiota, que nem percebe que não existe uma recíproca, só a gente está se entregando, ela só está curtindo as vantagens de um babaca apaixonado.

O divisor de águas de alguém apaixonado é quando resolve se declarar, afinal, se não o fizer, outro aventureiro o fará na sua frente. O apaixonado sempre guarda uma esperança, pois sempre ajudou a garotinha que amava do jeito que pôde, enquanto ela sempre dava um jeito de pular fora quando ele precisava. O apaixonado fica dias sem dormir, sempre bolando um plano para poder declarar-se à sua amada de uma forma que não a assuste. Talvez o coitado até pare de se alimentar direito, por nervosismo, ou sei lá. Enquanto ele está nessa neura, a bonitona está toda tranquila pois, segundo as mulheres, "o homem tem que ter a iniciativa". Depois de dias de angústia, finalmente o coitado se declara. Então, chega o momento onde tantos sonhos morrem em poucas palavras. Ela diz , friamente, que ele é muito legal mas eles são só amigos e não dariam certo. Ao ouvir isso, vocês não tem noção,  é uma sensação pior do que um soco no rosto. É triste, parece que quando a gente coloca algo em um pedestal, chega um momento que ele fica alto demais e nem nós conseguimos alcançar, nos frustramos por isso. Ficamos chateados ao ver que nossos esforços não valeram a pena, fizemos parte de uma relação onde fomos os únicos que amamos. Mesmo que tenhamos feito nossa parte com louvor , começamos a achar que nós somos o problema e que " se ela não me quis, acho que eu sou muito ruim".

Depois do banho de água fria, tudo parece perder o sentido, pois aquela ilusão parece ter tomado parte de quase tudo em nossa vida. Se antes tudo era maravilhoso quando ela estava envolvida, agora é o contrário. O simples fato de ouvir a música que ela gosta é capaz de fazer a gente ir do céu ao inferno, parece que quanto mais queremos fugir, mais nos aproximamos.  Um dia ensolarado, agora, não traz nenhuma alegria e a gente torce para que chova a semana inteira ou que o mundo pare para que  possamos sair para tomar um ar. Neste período, sempre surgem os insensíveis que dizem que  não sabemos lidar com uma frustração e que " a vida é assim". Para mim, pessoas que falam isso nunca amaram ninguém de verdade.

E claro que tudo o que tá ruim piora. Passa um tempo e ainda estamos superando tamanha pancada, quando aparece um cara ,que não fez nada do que fizemos para conquistar a gatinha, e , com poucas palavras, a conquista e ela sai dizendo a todos que ele é "o amor de sua vida". Neste momento, nossa auto-estima fica abaixo de zero e todo aquele sentimento, que antes era bonito, se transforma em ódio. A gente se acha um lixo por ter se entregado tanto, se esforçado tanto, enquanto um cara qualquer chegou e conseguiu o que você queria com o pé nas costas. Nessa época,  sempre aparecem aqueles espíritos de porco que fazem questão de nos falar que "sua mina tá com outro" e ainda somos obrigados a ouvir de terceiros que não conseguimos o que queria porque somos "mole"! Depois de tudo, pegamos raiva da garota, mandamos ela enfiar o amor da vida dela naquele lugar e nunca mais falamos com ela, mas como os apaixonados sempre se ferram, todos irão se virar contra a gente dizendo que não estamos sabendo lidar com uma maldita frustração e estamos sendo egoístas! Claro, conforme disse antes, que quem fala isso nunca amou ninguém de verdade!

Por estes motivos citados acima é que considero o ato de apaixonar-se uma porcaria. Se você leu o texto até o final (obrigado!) vai perceber o quanto o amor estraga uma pessoa. O amor consegue transformar tudo o que era tão lindo, em uma coisa vazia, sem graça alguma. Para fazer um levantamento final, o amor nos deixa: idiota, pau mandado, furão, apreensivo, com auto-piedade, deprimido, culpado, arrependido e mais um monte de coisas negativas , que superam as positivas. Então, não percam seu precioso tempo se apaixonando e se dediquem para algo que te traga um bom retorno. Um pouco de egoísmo, às vezes, não faz mal a ninguém. O ser-humano não pode sempre viver para os outros ou respeitando muito os outros, pode não sobrar nada para si mesmo, pense nisso!